Mais Informação Sobre Beelzebul

JoSportuguese – Joy of Satan em Português

Este grupo é para falantes de língua portuguesa que desejam estabelecer um relacionamento com Satan e discutir Satanismo Espiritual de forma séria.
Nós acreditamos que Satan e seus Demônios são seres reais. Seu tu és Satanista filosófico ou crê de outra forma, não tentes empurrar vossa crença aqui.
Pessoas que simpatizem com e/ou apoiem os inimigos de Satan (judeus, cristãos e muçulmanos) serão BANIDAS!
Blasfêmia contra Satan e/ou seus Demônios não será tolerada!
Se tu acreditas que Satan e seus Demônios são malignos, este grupo não é para ti, procure outro.
Não tentes empurrar crença Wiccana ou outros credos não-satânicos aqui.
Não tentes promover indivíduos, grupos ou organizações que atacam o Joy of Satan. Suas postagens serão apagadas e tu serás banido.
Qualquer um que promova qualquer coisa ilegal será banido, salvo Nacional-Socialismo e Revisionismo Histórico se estes forem criminalizados em vosso país.
Por favor, seja educado. Provocações não serão toleradas.

http://www.alegriadesatan.com

http://expondocomunismo.bucurialuisatan.com
http://thirdsexthulesociety.weebly.com/portugues.html
http://ssbiblioteca.webs.com

Sumo-Sacerdotisa Myla Limlal
Post Reply
User avatar
Egon
Posts: 1433
Joined: Tue Sep 19, 2017 6:07 pm
Contact:

Mais Informação Sobre Beelzebul

Post by Egon »

A página de Beelzebul na Alegria de Satan é a seguinte:

https://paisatan.deathofcommunism.com/Baalzebul

Isso será adicionado como uma página adicional de informações adicionais
(informações sobre Mammon e todos os outros Deuses também serão corrigidas e incrementadas).

Com relação a informações adicionais sobre Beelzebul, os Nomes que são os Nomes Divinos numerologicamente corretos para usar na Convocação e Invocação:

Nomes Divinos:
Baal-Zebul [Pronunciado Va-AL-ZeBul]
Baal-Zevulon [Pronunciado Ba-AL-zevulON - como a palavra nebula, mas como zebulon]*
Baal-Al-zevul [Pronunciado Ba-Al-ALZEVUL]

Runas [nesta ordem de importância]:
Thurisaz, Tiwaz, Sowilo.

Outros nomes:
Não há problema em também se referir casualmente a ele como Beelzebul ou Belzebu na fala cotidiana.

Beelzebul recebeu muitos outros nomes em muitos panteões pagãos diferentes, como Perkunas, Perun, Thor, Zeus, e chamado por muitos outros nomes de Divindades semelhantes, todos relacionados à Lei, Ordem Celestial e Terrestre, uma forte figura de liderança, mas principalmente o Trovão.

Números de importância:
40, 50 e 60

Além de suas origens orientais, Beelzebul era um dos Deuses mais importantes do Panteão Grego, sob o nome de Zeus. O termo geral “Bel” ou “Baal”, significando Rei, era um título de honra para mostrar poder superno e domínio espiritual.

Em contraste com as interpretações modernas dos mitos espirituais, Zeus era um dos Deuses mais importantes e um símbolo do Chacra da Coroa ["Os Céus"]. Por esta mesma razão, a associação de Beelzebul com os "Céus" e a "concessão da chuva", ou como ele "envia raios sobre seus inimigos", é sinêntrica com as qualidades de Zeus. Zeus também é chamado de doador de chuva, que é simbólico como a energia que flui do Chacra Coronário, que pode parecer como se chovesse.

Os títulos modernos dados a Beelzebul mostram um padrão de milhares de anos de guerra espiritual, calúnia e desinformação, mas também graça, poder espiritual extremo e autoridade máxima. Beelzebul passou de “Rei dos Deuses” em sua identidade de Zeus, a “Rei dos Demónios”. Em grego, a palavra Daemon significa “Deus” e, portanto, seu título ainda permanece com o mesmo conteúdo. [1]

Devido à sua autoridade extremamente elevada, ele foi o líder do Panteão Grego (e muitos outros), e é um símbolo do governo orientado de forma paternal, firme e justa. Zeus também foi chamado de "O Pai dos Deuses", porque ele gerou muitos outros Deuses, mas também foi relacionado com muitos heróis terrestres e semideuses, como Hércules ou Alexandre, o Grande. No que diz respeito aos humanos, Zeus também foi chamado de “Decisor dos Destinos”, e também “Pai dos Humanos”, por seu papel muito importante na assistência na criação da humanidade. [2]

Sua relação com o "Senhor das Moscas" é uma blasfêmia de seu nome por parte de seus inimigos. A fonte disso é um epíteto de Zeus, que era chamado de "Zeus Myiagros" ou "Zeus que afasta as moscas [pestes]". A palavra para "Moscas" no grego antigo é pronunciada "Mye", que foi pervertida pela remoção de uma letra e reduzida a "Myaros", que significa "Ele das moscas", ou "O contaminado". [3] [4]

A mesma remoção de uma letra foi feita por hebreus para mudar o nome de Beelzebul para Belzebu, o que é explicado na página da web anterior. Seus crimes contra Ele não terminam meramente com a mudança das palavras de Seu Nome, difamação, calúnia e retratá-Lo da maneira mais baixa possível, é claro. Beelzebul é frequentemente mencionado com espanto e medo pelo inimigo na Bíblia, mencionado diretamente no Novo Testamento como sendo uma oposição à farsa de “Jesus”. Tão grande foi sua influência e poder, que quando “Jesus” estava fazendo seus chamados “milagres” de cura, ninguém acreditava que isso fosse feito por ele, mas todos diziam que vinha de “Beelzebul”. Embora esta história seja uma farsa, ela nos mostra o quanto o inimigo entende a posição extremamente alta de Beelzebul e sua extrema capacidade de cura, mas também de domínio sobre todas as entidades Demoníacas. O único acima de Beelzebul é o próprio Satanás. [5]

A vastidão do poder de Beelzebul, sendo apenas secundário a Satanás, está resumida na declaração do inimigo. Os hebreus reconhecem inteiramente que todos esses ataques que cometeram contra Beelzebul vêm deles enquanto um coletivo de pessoas religiosas. Observe a linguagem da Guerra Espiritual sendo usada:

“Ondas poderosas de guerra espiritual se levantaram contra Baal, que iria derrubá-lo e transformá-lo em um arquidemónio, uma antítese de Deus. O ataque a Baal veio por meio dos escritos do Antigo Testamento, principalmente para desencorajar os hebreus de adorarem Baal e unificá-los sob a soberania exclusiva de Yahweh. [...] Baal era um nome específico de um deus vivo com poderes explícitos. Como um deus universal, Baal era muito mais complexo do que uma divindade monodimensional. [...] Na época em que o Novo Testamento estava sendo escrito, Baal estava firmemente associado a esterco, sujeira e perversidades sexuais e era conhecido como Belzebu nos círculos hebraicos.” [6]

Para observar, muitos hebreus constantemente tentaram trair seus mesquinhos e falsos “Deuses Nacionais” e se infiltrar nos movimentos religiosos pagãos, mesmo naquela época. Em contraste com os pagãos, os hebreus faziam isso de boa vontade, porque eram impotentes, queriam se infiltrar e eram traidores por natureza. Os pagãos, por outro lado, raramente ou nunca fizeram isso, mas somente depois de terem sido massacrados coletivamente em todos os casos ou depois que um genocídio em massa ocorreu para que isso acontecesse.

Beelzebul pode afastar todos os tipos de pestilência, seja na forma de doença física [como sua capacidade de cura], perigos sociais [restaurador da Justiça] ou outras maldições espirituais. Na realidade, o significado da relação com moscas e a palavra “Myiagros” está correlacionado a sons de zumbidos, assobios e sons altos, os quais correspondem a cantos e vibrações, limpando a alma e removendo maldições.

Com exceção da entomancia, há uma conotação oculta sobre Zeus e sua capacidade de enviar "moscas", ou a sensação de bioeletricidade ou Vril, que se parece com "insetos" na pele [produzida pelos sons de zumbido explicados acima].

As capacidades de cura de Beelzebul como o Deus Curador de Ekron e Suas habilidades de cura, foram simbolizadas pelo aumento do poder do Vril, que cria as sensações de formigas rastejantes na pele dos praticantes.

Zeus, no Panteão Grego, também simbolizava a força implacável e todo-poderosa da necessidade, um destino do qual os seres não podem escapar. Mas, ao mesmo tempo, Zeus foi quem lutou contra Kronus ou Saturno e se estabeleceu como rei, derrotando as estritas limitações da natureza humana e do carma.

Como suas associações como o Deus do Trovão por razões explicadas acima, ou as de alteração do clima, Beelzebul foi relacionado ao Deus Nórdico Thor, que é o portador do Trovão. A Runa correspondente à força de Beelzebul, é a Runa Thurisaz/Thor, que está relacionada ao Raio. As Runas secundárias para ele são Sowilo e Tywaz. Ainda hoje, a grande importância pela qual Beelzebul é visto, é que este título de Thor sobreviveu no nome moderno para a palavra inglesa para Thursday (quinta-feira), ou simplesmente o "Dia de Thor". Além disso, a Runa Tyr é um símbolo dos decretos de Satanás sendo impostos pela mão de Beelzebul, e em sua emissão simbólica de Justiça.

A Arma de Zeus, a do Trovão, chamada "Keravnos", é correlacionada à palavra "Keruvim", que é uma fraude judaica e cristã. A palavra hebraica "querubim" é usada como um termo para se referir ao mais alto nível espiritual e poder para uma entidade, uma situação que deveria mostrar a extrema força de Beelzebul neste caso. Zeus no mistério órfico tem sido constantemente reverenciado por sua habilidade com o “Trovão”.

Beelzebul/Zeus era o Demónio Guardião de Alexandre, o Grande, que conquistou quase toda a terra conhecida na época. Alexandre acreditava que era filho de Zeus Ammonas, relacionado com o Deus egípcio Amon [não deve ser confundido com Amon-Rá, ou Marduk, que é outro Deus]. Beelzebul é o concessor de boa fortuna, invulnerabilidade e boa sorte em tempos de desastre. Quando Alexandre entrou no Oriente Médio, ele foi reconhecido como filho de “Baal”, ao mesmo tempo em que foi reconhecido como Filho de Zeus Ammonas na Grécia.

Abaixo, está a estátua de Zeus Ammonas e as moedas cunhadas para Alexandre, o Grande. Como se pode ver, a semelhança é impressionante, em particular para os chifres, como um sinal de domínio absoluto. Acreditava-se que Alexandre o Grande era um descendente do Deus Beelzebul/Zeus por meio de sua mãe Olímpia do Epiro, que era descendente da Grécia Antiga Real, e foi amplamente aceito durante seu tempo na Terra como uma encarnação física do poder do Deus por todas as civilizações pagãs da época. Sua mãe também era uma mulher profundamente espiritual e praticante de rituais ocultos e meditação.

Image

Image

A palavra "amém" com a qual os cristãos encerram quase todas as suas orações, foi roubada da palavra Amon, epíteto também de Zeus.

Sua misteriosa morte aos 33 anos [ninguém sabe exatamente o que aconteceu com ele por qualquer detalhe] é conotativa não a morte física, mas a possibilidade marcante de ele ter completado a Magnum Opus aos 33 anos de sua vida, onde sua vida como mortal "terminou". As histórias sobre embriaguez, veneno e morte também não parecem ter muito mérito. O mito de seu nascimento foi fortemente relacionado no imaginário do símbolo do Trovão, e que sua mãe foi “engravidada pelo trovão”. Plutarco escreve que Alexandre sempre respeitou outras culturas pagãs e percebeu que os mesmos Deuses estavam presentes em todas elas. Alexandre, sendo ensinado por Aristóteles [o professor de hierarquia superior de seu tempo na Macedônia, Grécia] era instruído e bem versado nas práticas espirituais, como a alquimia. [8], [9], [10]

Sobre a mentira jogada em Enlil pelo "Dilúvio" que "afundou" a humanidade

Em contraste com as alegações fraudulentas do judeu Zecharia Stichin, Enlil [Beelzebul na Suméria] nunca esteve em uma "rivalidade" com Enki, e nunca que Satanás e Beelzebul tiveram coisas tão mesquinhas acontecendo entre eles. Estas são interpretações hebraicas grosseiras da mitologia espiritual, destinadas a vilipendiar os Deuses e, em particular, dissuadir as pessoas de qualquer compreensão espiritual.

O chamado “Dilúvio”, que “destruiu a humanidade”, que é um mito espiritual comum em toda a cultura pagã, o mito é significativo tanto para Enlil quanto para Zeus, mostrando outra ligação direta com Beelzebul. O Dilúvio é uma das alegorias espirituais mais importantes. Deste mito, temos a estória roubada da "Arca de Noé". "Noé" e sua esposa, foram roubados de Deucalion e sua esposa Phyrra, cujo Nome significa “Fogo”, que salvou a humanidade durante o dilúvio "criado" por Zeus. Como explicado acima, a “inundação” é a da Coroa mergulando o corpo em energia espiritual descendente, submergindo o corpo em energia espiritual.

Ida e Pigala [os aspectos de fogo e água da Serpente] trabalham para limpar a alma. O “Dilúvio” é um símbolo da inundação da alma com o elemento água [um estado necessário que acontecerá por padrão], que submergirá os elementos impuros, enquanto Phyrra é um símbolo do fogo purificador que se segue, salvando a humanidade de da "inundação". Esses também são preparativos importantes para a Magnum Opus.


Fonte bibliográfica:

1. Dictionary of Ancient Greek, J. Stamatakos
2. Encyclopedia of Greek and Roman Mythology, Luke Roman and Monica Roman
3. Nas obras gerais de Pausânias, Zeus é referido como o “removedor de moscas”, o que significa que ele repeliu pestilências e maldições. Mais sobre isso em: https://en.wikipedia.org/wiki/Myiagros
4. Ibid., 1, secção “Daimon”
5. Bíblia Hebraica: Mateus 12:24, Marcos 3:22, Lucas 11:15 e assim por diante.
6. “Beelzebub: An Unfairly Demonized Deity?", Huffington Post, https://www.huffpost.com/entry/beelzebu ... _b_9759936
7. Ibid 2, informação sibre Zeus.
8. Plutarco, Vidas Paralelas.
9. “Alexander the Great as a God”: https://www.ancient.eu/article/925/alex ... t-as-a-god
10. Existem poucos exemplos sobreviventes, a maioria dos declarados “falsos”, visto que foram confiscados pela Igreja Cristã que reescreveu a história. Um exemplo desses textos é Secretum Secretorum.
11. Ibid 2, secção “Deucalion and Phyrra”
Post Reply